Sobre a Casa

A Prema - Casa da Montanha, surgiu de uma vontade de se relacionar, estar junto e partilhar das belezas da Vida.

Em meio a natureza fortalecemos a conexão com nossa essência, verdade e caminho. Aqui, nos sentimos renovados, cheios de esperança, amor e gratidão.  

Em Abril de 2019 decidimos procurar terrenos na Serra da Mantiqueira e na primeira visita, chegamos aqui! Bastou mais duas visitas para decidirmos que era aqui que queríamos ficar. 

Prema, em sânscrito significa Amor Divino, Amor incondicional. E no nosso logo, ele homenageia - com suas letras - nossa fonte de Amor Maior, nossa querida avó, que tanto nos ensinou sobre o Amor.

Já A Casa da Montanha, foi  a forma que nosso "mascotinho" - Caique - apelidou seu novo lar! E foi assim, em um encontro de gerações que nasceu nossa identidade!

Que bom que você chegou à Prema - A Casa da Montanha! 

20200716_105607.jpg

Antes de chegarmos, o sítio era arrendado para gado e estava há uma década sem muitos cuidados com a terra, nascentes e riachos. Então, nossa prioridade foi de dar um descanso e uma mãozinha ao solo e águas. Protegemos as nascentes, criamos uma estação de tratamento para toda a água usada da casa, reformamos e equipamos a casa com recursos sustentáveis e com o pensamento de causar o menor impacto possível. Estamos em processo de reflorestar grande parte dos pastos - quem passar por aqui poderá fazer parte dessa história, plantando sementes e mudas terreno afora. 

Servimos e comemos aquilo que plantamos ou é plantado por perto, em produções orgânicas, de preferência. Nossas refeições são principalmente baseada em plantas e pensadas de acordo com os princípios do Ayurveda - buscando os alimentos mais propícios para nos manter em equilíbrio e que sejam nutritivas e digestíveis. 

Tudo vivido na Prema nos convida ao equilíbrio. A alimentação, os cuidados e mimos nos quartos, as vivências facilitadas, a interação com a mata, seus ritmos e sons. Aqui, fica o nosso convite de olhar para si, para o mundo, se sentir como parte do Todo e a se permitir estar em contato com sua natureza, única e divina.